Política de cookies: Utilizamos cookies propias y de terceros para mostrarle publicidad relacionada con sus preferencias según sus hábitos de navegación. Si continúa navegando consideraremos que acepta su uso. Puede cambiar la configuración u obtener más información aquí. 

Aceptar

Procuramos distribuidores exclusivamente para zonas livres em Portugal
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.

Artigos técnicos

A cirurgia Cinderela ou adequar os pés aos sapatos

Baseiase em modificar o tamanho e a forma os pés para se adequar aos sapatos preferidos pelas mulheres, entre outros objetivos


14/08/2017

A cirurgia Cinderela ou adequar os pés aos sapatos

Parece que na estética tudo vale e o embelezamento dos pés é tendência. Mas não falamos de fazer um peeling ou manicura, mas sim ir mais além; ou seja, de encurtar ou alargar os dedos dos pés, entre outros, para adequar os pés às condições de determinadas marcas de sapatos. É a cirurgia Cinderella, uma intervenção estética que cobra importância em muitos países, como EUA e Grã-Bretanha.

A cirurgia Cinderela ou adequar os pés aos sapatos

As intervenções estéticas nos pés têm a sua origem nos anos 90, pela obsessão de muitas mulheres em poder ter uns belos sapatos de tacões vertiginosos sem dor. As séries de televisão, as passerelles e as revistas de moda marcam a tendência para comprar sapatos com tacões extralargos. Algo que parece impossível, porque grande parte das marcas de moda desenham belos sapatos para um jantar ou noite, (altíssimos e muito estreitos de forma), que não costumam ser aptos para o dia-a-dia. Os problemas começam a surgir quando as mulheres passam muito tempo com este tipo de sapato, que acaba por resultar nuns pés doridos, com queimaduras, joanetes...

Além disso, este problema tem muito que ver com a idade, porque a medida que passam os anos, o pé pode perder gordura na sua planta. E, em parte, as operações dos pés são uma forma mais de se sentirem mais jovens.

A cirurgia Cinderela ou adequar os pés aos sapatos

O que englobam estas intervenções

A chamada cirurgia Cinderela baseia-se em modificar o tamanho e a forma dos pés para se adequar aos sapatos preferidos pelas mulheres, entre outros objetivos. Na grande parte de tais intervenções, que se realizam ao gosto das consumidoras, emprega-se a anestesia local, são praticadas por cirurgiões e podem reparar zonas dos pés, eliminando ou alargando ossos com a colocação de parafusos e talas.

Além de encurtar ou alargar os pés, a cirurgia Cinderela também engloba a extração dos joanetes, que podem produzir-se pelo roçar contínuo com os sapatos de tacão. Além disso, para as mulheres que têm pouca massa na planta dos pés, a cirurgia pode ter em conta uma injeção de material de preenchimento.

A cirurgia Cinderela é uma intervenção estética que se realiza nos pés e tem a sua origem nos anos 90, pela obsessão de muitas mulheres em poder brilhar nuns belos sapatos de tacões vertiginosos sem dor.

Outra prática da cirurgia Cinderela é limas os excessos de osso e extrair a gordura dos pés, porque as mulheres querem-nos mais delgados. E há mais, porque uma das operações estéticas dos pés chama-se Loub Job, referente ao desenhador Christian Louboutin, e é indicado para alcochoar a planta do pé. A finalidade é dar brilho, de forma cómoda, este e outro tipo de sapatos relacionados. Neste caso, há que destacar que o seu efeito só dura seis meses, (o que tarda em reabsorver-se o material que se injeta).

Recentemente, o número de operações cresceu. Outra das tendências é reduzir o tamanho das unhas dos pés para se utilizar sapatos estreitos. Além de deixa os pés mais belos e aptos para ter os sapatos dos seus sonhos, os que praticam estas intervenções asseguram que as mulheres se sentem melhor e aumentam a sua autoestima.

A cirurgia Cinderela ou adequar os pés aos sapatos

O que dizem as associações

Muitas clínicas privadas de medicina estética nos EUA e Reino Unido estão a realizar este tipo de intervenções. O tema não está isento de polémica, pois algumas associações, como a Associação Médica Americana de Podólogos, pensam que as intervenções dos pés só devem ser praticadas por razões médicas e não estéticas. Ou seja, que estejam destinadas a reduzir dores crónicas e reconstruir deformidades. Pela sua parte, o Colégio Norte-americano de Cirurgiões de Pé e Tornozelo (ACFAS) também é a favor destas operações no seu sentido mais estético.

Além de deixar os pés mais belos e aptos para usar os sapatos dos seus sonhos, os que praticam estas intervenções asseguram que as mulheres se sentem melhor e aumentam a autoestima.

Estas associações indicam que a cirurgia Cinderela pode provocar alguns problemas nos pés, em última análise, ao deixar dores articulares permanentes e que alteram a estrutura óssea do pé. Também produz nervos danificados, rigidez, cicatrizes e infeções.

Muitos médicos especialistas do pé realizam, algumas vezes, intervenções similares, mas não só naquelas pessoas que têm as condições físicas adequadas para isso. Em Espanha, ainda que não seja uma prática habitual há cada vez mais mulheres que pedem este tipo de intervenções.

Mais información

  • Partilhe este artigo
  • Compartir en WhatsUp
Salón Look, um evento que não podes perder.

 

Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Procuramos distribuidores exclusivamente para zonas livres em Portugal