Política de Cookies: Usamos cookies próprios e de terceiros para mostrar publicidade relacionada às suas preferências de acordo com seus hábitos de navegação. Se você continuar navegando, consideraremos que você aceita seu uso. Você pode alterar as configurações ou obter mais informações aqui. 

Aceitar

GH Gallery Hair nº 6 - Descarrega aqui o nº 6.
GH Gallery Hair nº 6 - Descarrega aqui o nº 6.

CONSUMIDORES

A sociedade 'sem contacto' passa fatura ao apetite de consumo dos europeus

A vida 'sem contato' resultante da pandemia, e segundo um último estudo de Cetelem, está a corroendo o apetite de consumo na Europa, apesar de que o 'e-commerce' ou o teletrabalho já se manejaram com anterioridade à pandemia


31/03/2021

A vida “sem contato” não apareceu com a crise do Covid-19. Porém, e apesar de modo prévio ao Covid-19, as sociedades estão cada vez mais comprometidas por exemplo com o e-commerce ou do teletrabalho, a perceção dos europeus têm desta 'proibição social' estão a passar fatura.

Porque e segundo o Observatório Cetelem, sem bem também estão em grande medida convencidos pela praticidade de certos comportamentos 'sem contato', como as compras em linha, a gestão suposta ou os procedimentos administrativos remotos, o teletrabalho ou a informação através de ecrãs e não por meios de comunicação em papel, esta situação geralmente experimenta-se efetivamente de forma negativa em toda a Europa.

Um apetite pelo consumo que está a corroer-se

Enquanto que 80% dos europeus antecipa uma sociedade que terá cada vez mais espaço para o 'sem contato' em 10 anos, são apenas uma pequena maioria (53%) a que está a favor de tal desenvolvimento. Assim, 73% dos inquiridos no estudo citado associa ao menos um termo negativo com a vida sem contato frente a apenas 58% de um termo positivo. Segundo o mesmo, desembocando sobretudo na 'solidão' contra a 'tristeza'.

As sociedades estão cada vez mais comprometidas por exemplo com o 'e-commerce' ou o teletrabalho.

A curto prazo, o Observatório Cetelem refere-se a “uma detonação” sobre o estado de ânimo que os europeus, que retrocede em todos os países. Não foi assim em 2009 ou 2012 durante a crise da dívida. A situação atual degenera num apetite dos consumidores a corroer.

O estudo foi realizado em 15 países europeus (Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Espanha, França, Hungria, Itália, Polónia, Portugal, República-Checa, Roménia, Reino Unido, Eslováquia e Suécia) de 27 de novembro a 8 de dezembro de 2020 entre 14.200 pessoas de entre 18 e 75 anos, provenientes de amostras representativas da população de cada país, segundo o método de quota.

 
Mais informação

  • Partilhe este artigo
  • Enviar a un amigo
  • Compartir en WhatsApp
Recebe-a totalmente grátis todas as semanas no teu correio eletrónico!

 

Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.