Política de Cookies: Usamos cookies próprios e de terceiros para mostrar publicidade relacionada às suas preferências de acordo com seus hábitos de navegação. Se você continuar navegando, consideraremos que você aceita seu uso. Você pode alterar as configurações ou obter mais informações aqui. 

Aceitar

SALÓN LOOK - Salão Internacional da Imagen e da Estética Integral
SALÓN LOOK - Salão Internacional da Imagen e da Estética Integral
SALÓN LOOK - Salão Internacional da Imagen e da Estética Integral
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.

ATUALIDADE 2.0

Abandonar as redes sociais é decisão de cada vez mais empresas

A empresa de cosméticos e beleza Lush encerram as suas contas no Facebook, Instagram e Twitter e causa uma grande revolta geral. Porém não é a única. Os exemplos sucedem-se ao longo destes últimos anos


19/06/2019

Faz apenas uns dias que saltava a notícia. A empresa de cosméticos Lush decide fechar as suas contas de Facebook, Instagram e Twitter porque, diz, "cansou-se de lutar com a tecnologia".

Mas Lush, precisamente, não foi a única empresa a fechar as suas contas digitais, ainda que este continua a ser um feito que surpreende e chame poderosamente a atenção num mundo no qual tudo parece girar em torno do digital e no qual que não estás nas redes, também parece, apriori e para quem as usa, que não és ninguém.

Temos de dizer também que muito mudou com a era 2.0 desde os seus inícios até agora. Incluídas, assim, as redes sociais que já não são o que eram e vão continuar a sua transformação em detrimento da maioria.

Por um lado, o todo poderoso Facebook que diminui a visibilidade de qualquer post em função se pagas ou não, quando nasceu a ser o contrário. O que aborreceu a maioria.

E por outro lado o Instagram, que está muito bem, disfruta de um feed dinâmico e muito atrativo, mas obriga-te ao mesmo, a pagar ou contratar ferramentas de posicionamento sem as quais a tua repercussão é efetivamente “de riso".

Sem esquecer que nem toda a gente está nas redes nem toda agente as segue realmente.

A tirania do algoritmo

Feita esta primeira análise, vamos à notícia que causou a surpresa e alimentado o debate. A companhia de cosméticos e produtos de beleza Lush, anunciava efetivamente até há poucas semanas a notícia do encerramento das suas contas nas redes sociais através do Twitter, Facebook e Instagram, onde tem 202.000, 423.000 e 570.000 seguidores respetivamente. Também disse que encerrará os canais das suas submarcas Lush Kitchen, Lush Times, Lush Life, Soapbox e Gorilla, onde acumula dezenas de milhares de fãs. O principal motivo é o cansaço de lutar cada segundo com a tirania dos algoritmos que de deixam ao seu critério ou não, visível ou invisível.

"Administrar uma estratégia de redes sociais efetiva e assegurar que o pessoal que dirige todas essas contas e que está de acordo com a política da empresa, é custoso e consome muito tempo", afirma Rory Cellan-Jones.

"As redes sociais cada vez nos dificultam mais nas conversas diretas. Estamos cansados de lutar contra os algoritmos, e não queremos pagar para aparecer nos seus feeds. Assim decidimos que é hora de nos despedirmos de alguns dos nossos canais”, declarou a empresa.

"Não queremos limitar-nos a ter conversas num lugar apenas. Queremos que o social volte a estar nas mãos na nossa comunidade… Queremos que esteja ais vinculado ao que nos apaixona, e menos aos likes”.

A firma concluiu a sua mensagem a dizer e a avisar que “não é o final, mas o começo de algo novo”.

Lush pediu aos clientes que contactem através do e-mail, telefone ou pelo site. E disse que aprovaria um novo fico baseado em hashtags (etiquetas que permitem agrupar temas) para quem queira falar com eles através da internet.

Assim, muitas foram as vozes que expressaram a sua surpresa perante esta drástica decisão. Sobretudo, influencers, e grandes contas com milhões de seguidores que baseiam as suas estratégias nestes, precisamente.

Outras empresas que fugiram das redes sociais

Porém, e tal como comentávamos no princípio, não é o único caso.

Em 2018, a cadeia de pubs britânica Wetherspoons também eliminou as suas redes sociais. A empresa disse adeus aos seus 44.000 seguidores no Twitter, e à sua relativamente “pequena” comunidade no Facebook (100.000) e Instagram (6.000). A companhia, que tem uns 900 pubs e vários hotéis no Reino Unido, argumentou a sua decisão por má imagem das redes sociais e o problema dos “troles” na internet, e disse que preocupa “o mau uso dos dados pessoais” e a “natureza aditiva das redes sociais”.

"Estamos cansados de lutar contra os algoritmos, e não queremos pagar para aparecer nos seus feeds. Assim, decidimos que é hora de nos despedirmos de alguns dos nossos canais”, declararam da Lush.

O seu fundador e presidente, Tim Martin, opina que a "sociedade seria melhor se as pessoas deixassem de usar as redes sociais”. Quem também informou de que os seus clientes poderiam continuar a comunicar com a empresa através da sua web ou da sua revista. Martin declarou que não acreditava que “fechar as contas vá afetar o negócio”.

Nesta revisão das empresas que decidem desaparecer das redes sociais, há vozes especializadas que opinam em relação a isto.

O correspondente de tecnologia da BBC, Rory Cellan-Jones, sem ir contra elas, a priori, assegurou que “administrar uma estratégia de redes sociais efetiva e assegurar que o pessoal que dirige todas essas contas e que está de acordo com a política da empresa, é custoso e consome muito tempo”.

Por sua parte, o empresário Elon Musk apagou as páginas de Facebook das suas companhias Tesla e SpaceX, coincidindo com a campanha #deleteFacebook (apaga o Facebook), que surgiu após o escândalo de Cambridge Analytica. Ainda que nesse momento tenha dito que a sua decisão nada tinha que ver com isso.

"Não é uma declaração política e não o fiz porque alguém me disse para o fazer. Simplesmente não gosto do Facebook. Põe-me com os cabelos em pé”, disse Musk no Twitter.

Também assegurou que nunca pagou por publicidade nessa plataforma. As páginas de Facebook foram eliminadas em abril de 2018.

Porém, tanto a Tesla como a SpaceX continuam a ter presença no Instagram, com 5,6 milhões e 4,6 milhões de seguidores respetivamente.

 
Mais informação

  • Partilhe este artigo
  • Compartir en WhatsApp
SALÓN LOOK - Salão Internacional da Imagen e da Estética Integral

 

Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
SALÓN LOOK - Salão Internacional da Imagen e da Estética Integral
SALÓN LOOK - Salão Internacional da Imagen e da Estética Integral
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
SALÓN LOOK - Salão Internacional da Imagen e da Estética Integral
SALÓN LOOK - Salão Internacional da Imagen e da Estética Integral
SALÓN LOOK - Salão Internacional da Imagen e da Estética Integral