Política de Cookies: Usamos cookies próprios e de terceiros para mostrar publicidade relacionada às suas preferências de acordo com seus hábitos de navegação. Se você continuar navegando, consideraremos que você aceita seu uso. Você pode alterar as configurações ou obter mais informações aqui. 

Aceitar

Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
BM Estética > Estética > Dismorfofobia

Doenças

Conheces a dismorfofobia ou síndrome de distorção da auto-imagem?

Este transtorno está relacionado com a preocupação fora do normal por algum defeito, seja real ou imaginado, das características físicas da pessoa


05/11/2023

Faz alguns anos que os cânones de beleza se impõem de forma exagerada e muitas pessoas procuram a perfeição no seu aspeto físico. Nisto se baseia a dismorfofobia ou síndrome de distorção da imagem, um transtorno baseado numa preocupação fora do normal por algum defeito, seja real ou imaginado, percebido nas características físicas próprias.

A dismorfofobia ou também chamado transtorno dismórfico corporal (TDC) afeta 1-2% da população mundial. A baixa autoestima (crónica) costuma ser uma das características principais das pessoas que têm da sua aparência. Também há estudos que assinalam que a dismorfofobia se diagnostica a homens e mulheres por igual. Isto faz com que as visitas aos centros de beleza e de medicina estética sejam frequentes em busca dessa perfeição que creem ter perdido.

Causas e fatores de risco

  • Transtorno obsessivo-compulsivo.
  • Predisposição genética.
  • Bullying ou outro tipo de maltrato psicológico.
  • Problemas psicológicos ou emocionais cedo.
  • Sensibilidade estética e sobreavaliação da imagem ou aparência.

A quem afeta a dismorfofobia?

Os diversos estudos assinalam, como destacámos, que a dismorfofobia afeta tanto homens como mulheres, e tanto a pessoas atraentes como não tão atraentes.

As pessoas com dismorfofobia submetem-se a várias cirurgias estéticas, realizam exercício de forma algo exagerada e estão obcecados com a comida.

As pessoas que têm este transtorno podem queixar-se de qualquer parte do seu corpo ou de várias de uma só vez, ainda que existam estudos que demonstram que, em 45% dos casos, se centram em como é a sua forma do nariz. Também é frequente olhar muito para os lábios e o peito, no caso das mulheres.

A dismorfofobia começa a surgir na época da adolescência quando o corpo começa a mudar. Em alguns estudos, 59% das mulheres adolescentes demonstram preocupação pela sua aparência física e unicamente 4% se centra em conseguir uma maior capacidade intelectual. A partir dos 20 ou 25 anos então desaparece, mas quando há patologia, é possível que a obsessão se prolongue com o passar dos anos. Os adultos vivem-no de forma exagerada afetando, em grande medida, toda a sua vida, seja laboral ou social.

Principais sintomas da dismorfofobia

  • Obsessão pelos seus defeitos físicos.
  • Comportamentos obsessivo-compulsivos.
  • Ansiedade e depressão.
  • Isolamento social e familiar.
  • Ideias suicidas.
  • Baixa autoestima.
  • Temor e vergonha.
  • Condutas de evitação.
  • Falta de segurança.
  • Problemas na família.
  • Problemas de casal.
  • Abuso de álcool ou drogas.
  • Alto perfecionismo.
A dismorfofobia diagnostica-se em homens e mulheres por igual. É um transtorno que faz com que as visitas aos centros de beleza e de medicina estética sejam frequentes em busca dessa perfeição que creem ter perdido.

É de assinalar que as pessoas com este transtorno se submetem a várias cirurgias estéticas, realizam exercício de uma forma algo exagerada e estão obcecados com a comida. O fim é obter um corpo ideal e, em grande parte dos casos, inalcançável.

A prevenção, antes de tudo

Este transtorno deve ser percebido, primeiro nas casas, pelo que a educação familiar é imprescindível, também pelos educadores, no caso de se tratar de adolescentes, enquanto que os profissionais da beleza, devem transmitir ideias sãs acerca do aspeto físico e do perfecionismo.

Se se converte em obsessão não é saudável, e então prevalece a saúde mental e física antes da aparência. Controlar estas situações é muito importante e, no caso de se requerer tratamento, as pessoas podem solicitar cuidados psicológicos.

O que devem fazer os profissionais de beleza?

Segundo a psiquiatra e especialista na matéria Raquél Fernandez, da clínica Ishtar Beauty, antes de se submeter a uma operação estética, "os profissionais que lhes atendem deveriam examinar os aspetos da personalidade, a estabilidade emocional e as expetativas do paciente. Muitas vezes existe neles a crença que uma mudança física também os vai conduzir a uma mudança psicológica, daí a importância das expetativas de cada paciente, ficando claro que neste caso o plano estético há que ficar por cima do psicológico. Há pessoas que pensam que ao ter um aspeto físico standardizado serão queridos e aceitados socialmente".

Segundo a especialista, "há que poder contestar a pergunta: o que esperas da tua cirurgia estética? Mudar o plano físico e estético é bom e ajuda-nos a sentir-nos melhor, mas nunca devemos subordinar estar bem a uma mudança física; deve ser uma ajuda, não uma obrigação. Todas somos capazes de perceber alguma característica que não gostamos e corrigi-la. Isso não é negativo e pode ser que alguma intervenção estética ajude a melhorar a nossa imagem pessoal".

Controlar estas situações é muito importante, e em caso de se requerer tratamento, as pessoas podem solicitar cuidados psicológicos.

O Dr. Sergio Oliveros Calvo de Grupo Doctor Oliveros manifesta: "Em qualquer caso, nunca está indicado o tratamento cirúrgico a que normalmente muitos destes pacientes vão muito antes de visitar um psiquiatra. A cirurgia estética vai proporcionar uma satisfação temporal mas de seguida reaparecerá uma nova perceção deformada e regressa a ansiedade com uma maior intensidade". Segundo um estudo publicado pela BBC há alguns anos, "apenas uns 10% dos dismórficos que passam pelo quirófano conseguem livrar-se, definitivamente, da sua obsessão".

Por sua parte, a doutora Ana María Téllez, de Clínicas Doutora Téllez, especifica que os médicos estéticos têm a responsabilidade de detectar este tipo de patologias psicológicas e advertir das mesmas, "e procurar tratar dos seus desejos estéticos com profissionalismo para que não agravem o problema. Convencê-las de que não realizem um tratamento se este não é necessário, ou vai piorar o seu aspeto, por muito que eles estejam convencidos de que não podem viver sem isso".

Explica que no seu caso tem "vários casos de mulheres viciadas na estética, e o que se destaca é que normalmente são muito jovens e que, realmente, não necessitam na maior parte dos arranjos que querem fazer". E reafirma que os profissionais "dem intervir para aconselhar e tentar que se vejam bem. Quando nos visitam é porque não gostam, sentem que tem algo feio no seu físico e pedem qualquer tratamento (geralmente preenchimento). Visitam e repetem constantemente na consulta porque não gostam de si mesmos, e fazem o que fazem. Na maior parte das vezes encontram-se defeitos quase impercetíveis ou inexistentes".

 
Mais informação

  • Partilhe este artigo
  • Enviar a un amigo
  • Compartir en WhatsApp
Recebe-a totalmente grátis todas as semanas no teu correio eletrónico!

 

Forte Pro 2020L - Secador ultraligeiro, potente, eficiente
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.

Anúncios de empresa

Se precisan personas emprendedoras para ofrecer productos de dermocosmetica en salones, tiendas y / o domicilios.
Soluções para profissional de beleza produtos que são ferrementas de resultados
Forte Pro 2020L - Secador ultraligeiro, potente, eficiente
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.