Política de Cookies: Usamos cookies próprios e de terceiros para mostrar publicidade relacionada às suas preferências de acordo com seus hábitos de navegação. Se você continuar navegando, consideraremos que você aceita seu uso. Você pode alterar as configurações ou obter mais informações aqui. 

Aceitar

GH Gallery Hair nº 6 - Descarrega aqui o nº 6.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.

MERCADOS

Notória fenda de mercado entre as PMEs que exportam digitalmente e as que não

Um estudo de Alibaba Group sobre as PMEs na EU revela uma fenda na exportação digital, tendo em conta que as exportações são a chave da recuperação depois da pandemia, segundo afirma o gigante do e-commerce


26/08/2021

Como consequência da pandemia, muitas empresas na União Europeia adaptaram-se aos nossos desafios e descobriram que ter presença online é vital e como ajuda a encontrar novos clientes em mercados de todo o mundo.

Porém, algumas PMEs europeias correm o risco de ficar para trás.

Esta é a principal conclusão de um novo estudo realizado por Alibaba Group que revela a existência de uma fenda na exportação das pequenas empresas na EU.

Segundo este estudo, algo mais de metade (52%) das PMEs na EU exportam a nível internacional (principalmente a outros Estados membros). Entre estas PMEs que já vendem fora do seu país, 55% afirma que a exportação é essencial ou joga um papel significativo na sobrevivência do seu negócio.

Aproveitar as oportunidades do comércio digital na exportação

Alibaba Group realizou esta pesquisa às PMEs de seis países da EU (Alemanha, França, Itália, Espanha, Países Baixos e Polónia) para conhecer as suas atitudes em relação com o comércio digital e a exportação.

Os resultados do estudo revelam que apesar de algumas PMEs estão a beneficiar das exportações e do ambiente digital, muitas não estão a aproveitar ainda a oportunidade existente de comércio digital em todo o mundo, apesar da procura persistente de produtos europeus exequíveis e de alta qualidade.

Os desafios estruturais que enfrentamos são a causa principal de que muitas pmes na EU renunciem a exportar a nível internacional.

Assim, quase uma em cada cinco afirma que os custos de transporte (19%) ou a falta de pessoal e recursos (18%) supõem um travão na hora de se expandir a outros mercados.

Além disso, 15% expressa a sua preocupação pelo cumprimento da normativa que implica a exportação.

Os resultados do estudo colocam em evidência a fenda existente entre as pmes que exportam digitalmente e as que não.

As PMEs na EU querem que os governos e os organismos reguladores estabeleçam medidas efetivas que ajudem a exportar mais facilmente. Quase a metade (42%) das pmes inquiridas acredita que a redução da burocracia que implica fazer negócios internacionais seria a medida mais útil para ajudar a vendar a nível internacional. Esta cifra é ainda maior (48%) entre as que já exportam para o estrangeiro.

As PMEs na EU não aproveitam o suficiente o mercado chinês

Uma oportunidade de exportação para as pmes na EU que está, ainda, relativamente inexplorada, é o mercado chinês. Deste modo, entre as pmes inquiridas que exportam atualmente, 73% vende a outros Estados membros da EU, quase a metade das que exportam a América do Norte (30%) e apenas 17% vende na China.

Alibaba Group está a centrar em abordar algumas destas barreiras para as pmes, desde soluções logísticas até plataformas de comércio eletrónico que oferecem acesso a clientes de todo o mundo.

A pandemia revelou a importância de se tornar digital e global para impulsionar o crescimento e combater os desafios do ano passado.

Esta pesquisa mostra a necessidade de eliminar as barreiras e de facilitar ainda mais o comércio para as pequenas empresas em todo o mundo. A procura de produtos europeus entre os consumidores internacionais, incluída a China, continua a ser alta.
Apenas no ano passado, as empresas europeias venderam bens por valor de 36.800 milhões de dólares a consumidores chineses nas plataformas Tmall e Tmall Global de Alibaba.

Algumas pequenas empresas europeias inteligentes já compreenderam que o êxito da exportação não tem porque implicar um elevado investimento inicial nos mercados estrangeiros. Mais de 80% das pmes na EU que vendem a nível internacional afirmam que os mercados online facilitam muito a exportação em comparação com os sites web de cada país origem.

A pandemia impulsiona as exportações entre as pmes espanholas

Entre os dados extraídos deste estudo de Alibaba Group, 52% da pmes espanholas inquiridas prevê aumentar a sua oferta de produtos e serviços para o mercado internacional devido à crise provocada pela pandemia. Além disso, confirma-se uma clara tendência até a digitalização no comércio e a exportação.

Atualmente, mais de metade das pmes espanholas inquiridas (56%) venderam alguma ves fora de Espanha, mas poucas o fizeram a países como a China (14%), a economia de mais rápido crescimento do mundo.

"É gratificante comprovar que os marketplaces, parte muito significativa do ecossistema digital de Alibaba Group são muito apreciados pelas pmes espanholas, já que 90% delas manifesta na nossa pesquisa que facilitam a exportação em comparação com as webs próprias. O que não está a ser suficientemente aproveitado é o enorme potencial do mercado chinês, a economia que mais cresce no mundo", sublinha Alba Ruiz, diretora de Desenvolvimento de negócio de Alibaba Group e Alipay em Espanha e Portugal.

Uma oportunidade de exportação para as pmes na EU que está ainda relativamente inexplorada, é o mercado chinês.

Por sua parte, Coral Márquez, CEO de Farma Dorsh, assinala: "temos trabalhado para criar um produto diferenciador e inovador, que conseguiram um alto reconhecimento e posicionamento de marca no setor da dermofarmácia em Espanha. Agora encontramo-nos no momento ideal para enfrentar a seguinte fase: a expansão horizontal através de novos mercados e modelos como os que lideram as plataformas de Alibaba. A exportação é, sem dúvida, um dos nossos principais objetivos. Com especial foco em China, onde acabamos de abrir a loja em Tmall Global e temos depositado grandes expetativas".

No caso de Freshly Cosmetics, Xi Cao, Internacional Growth Manager, afirma: "os consumidores chineses começam a ter mais responsabilidade social e os seus valores coincidem mais com os da marca. Pesa o facto de que temos costumes diferentes, mas os chineses estão encantados com as marcas europeias e acreditamos que podemos oferecer-lhes tudo o que procuram".

As pmes na EU querem que os governos e os organismos reguladores estabeleçam medidas efetivas que lhes ajudem a exportar mais facilmente.

Neste sentido, 63% das pmes espanholas inquiridas planeia aumentar a sua atividade de comércio eletrónico por causa da crise provocada pelo Covid-19 e 53% das pmes inquiridas assinala a sua intenção de começar a vender num Marketplace.

A pandemia também gerou outras tendências na estratégia empresarial das pmes espanholas inquidas: 58% valoriza adicionar meios de pagamento on-line adicionais na sua web e 64% prevê aumentar os recursos dirigidos a marketing digital.

Esta pesquisa realizou-se através de uma entrevista online administrada por YouGov Plc Reino Unido a mais de 800.000 pessoas que aceitaram participar nas pesquisas. Os correios eletrónicos são enviados aos panelistas selecionados à alça da amostra base.

Notas
Pesquisa online realizada por youGov, abril de 2021.
Seis países da EU inquiridos: Alemanha, França, Itália, Espanha, Países Baixos e Polónia.
Tamanho total da amostra: 2322 (principais responsáveis pela toma de decisões empresariais nas pmes).
Definição de pme: empresas com menos de 250 empregados que operam dentro do setor privado com fins lucrativos.

 
Mais informação

  • Partilhe este artigo
  • Enviar a un amigo
  • Compartir en WhatsApp
Recebe-a totalmente grátis todas as semanas no teu correio eletrónico!

 

GH Gallery Hair nº 6 - Descarrega aqui o nº 6.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.