Política de Cookies: Usamos cookies próprios e de terceiros para mostrar publicidade relacionada às suas preferências de acordo com seus hábitos de navegação. Se você continuar navegando, consideraremos que você aceita seu uso. Você pode alterar as configurações ou obter mais informações aqui. 

Aceitar

Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
MOSER - CHROM2STYLE BLENDING EDITION

INVESTIGAÇÕES

Protetores solares que não são assim tanto, qualificados de danosos pela FDA

A Administração de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos (FDA) coloca em cima da mesa a eficácia de determinados protetores solares químicos. E não só isso, aponta as suas possíveis consequências frente à segurança dos protetores minerais


28/10/2020

O uso de certos protetores solares para se proteger contra o cancro de pele e outros danos por causa do sol poderia ser perigoso para a saúde, revela um estudo realizado pela Administração de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos (FDA pelas suas siglas em inglês).

A segurança de alguns ingredientes dos protetores solares amplamente utilizados colocou em dúvida depois de que a FDA publicara uma investigação na revista médica Journal of the American Medical Association (JAMA), em que demonstrou que alguns ingredientes contidos nos protetores solares são absorvidos pela pele e entram na corrente sanguínea.

Que protetores solares poderiam ser danosos? Absorção sistémica

Os especialistas norte-americanos indicam que os chamados filtros solares químicos contêm avobenzona, oxibenzona, octocrileno, octisalato, octinoxato, homosalato e outros ingredientes desenhados para filtrar os raios danosos do sol.

Os investigadores plantearam dúvidas sobre se a oxibenzona, a avobanzona e outros ingredientes ativos dos protetores solares químicos alteram as hormonas ou são cancerígenos.

O estudo analisou 48 pessoas saudáveis que aplicaram um dos quatro protetores solares químicos comerciais, que contêm estes seis ingredientes ativos, em três quartas partes dos seus corpos quatro dias consecutivos.
Depois de uma só aplicação de protetor solar, os ingredientes foram encontrados no sangue dos participantes, o que indica absorção sistémica.

Um feito a ressaltar foi que os níveis destes ingredientes superavam os 0,5 nanogramas por milímetro de sangue, o que a FDA considera o "umbral de preocupação toxicológica".

Na maioria dos participantes, os níveis no sangue destes ingredientes excederam o limite entre os 7 e 21 dias depois da aplicação inicial.

Os filtros solares podem ser cancerígenos?

Os investigadores plantearam dúvidas sobre si a oxibenzona, a avobenzona e outros ingredientes ativos dos protetores solares químicos alteram as hormonas ou são cancerígenos.

Indicar que o estudo provou os protetores solares em condições da vida real, realizou-se num ambiente clínica sem luz solar direta, calor ou humidade, o que poderia afetar também à absorção dos ingredientes, já que a quantidade de protetor solar aplicado foi maior do que se usa normalmente.

Uma diferença entre os protetores solares químicos e os minerais é que estes últimos, quando se aplicam, deixam uma tinta branca na pele, ainda que as formulações mais novas o tenham minimizado.

Em 2019, a FDA solicitou aos fabricantes que apresentaram dados adicionais sobre 12 ingredientes químicos de proteção solar para tomar uma determinação final de segurança, mas até agora não há conclusões definitivas e os ingredientes ainda se podem comercializar.

Os especialistas concluíram que os seus resultados "não indicaram que as pessoas devam abster-se do uso de protetor solar", e assinalaram que se necessitam mais provas de segurança para determinar se a absorção para determinar se a absorção plateia problemas de saúde reais.

Melhor, protetores solares minerais

"O risco de padecer de cancro da pele devido à exposição excessiva ao sol ainda supera o risco de qualquer dano potencial dos produtos químicos", asseguram os investigadores. Por isso, recomendam utilizar um protetor solar mineral que contenha dióxido de titânio ou óxido de zinco e que têm como vantagem o formar uma barreira física na pele para bloquear o sol sem penetrar na pele. Estes protetores solares são reconhecidos como seguros e eficazes em geral pela FDA.

Uma diferença entre os protetores solares químicos e os minerais é que estes últimos quando se aplicam deixam uma tinta Branca na pala, ainda que as formulações mais novas o tenham minimizados.

 
Mais informação

  • Partilhe este artigo
  • Enviar a un amigo
  • Compartir en WhatsApp
Subscreve a newsletter da Beautymarket Informa.

 

GH - Gallery Hair - A revista profissional  de uso e consulta em Salões de Cabeleireiro
Grátis! Agora! Toda a atualidade no teu correio eletrónico de 15 em 15 dias. Subscreve.
GH - Gallery Hair - A revista profissional  de uso e consulta em Salões de Cabeleireiro
Ganho de massa e queimo de gordura